A grandeza do mercado de irrigação

A grandeza do mercado de irrigação

14

Fev

2019

Com o uso de ferramentas e equipamentos, a irrigação é uma prática utilizada para fornecer a quantidade de água carente às plantas que não receberam naturalmente pelas fontes naturais, como a chuva e o solo. Visando os tipos de culturas e suas diferenças, para a irrigação ser realizada, deve-se estar atento às fases de desenvolvimento das mesmas. Além da análise da região e suas condições climáticas.

A irrigação é fundamental no Brasil

Hoje, entre os países com maior área irrigada, o Brasil ainda utiliza uma pequena parte de seu potencial para a atividade, que é comum já que a irrigação é fundamental na viabilização de água para regiões como o Semiárido Brasileiro, onde a escassez é contínua; ou quando acontece em períodos específicos. A expansão da prática de irrigação se deu a partir das décadas de 1970 e 1980, quando a população migrou do campo para a cidade causando o aumento populacional, reclamando em maior industrialização e produção de alimentos.

Os métodos e sistemas de irrigação são escolhidos a partir de análises socioeconômicas e ambientas do local que se pretende irrigar. São eles:

Superficial: água disposta na superfície do solo e seu nível controlado para aproveitamento das plantas. Sistemas – sulcos, inundação etc.

Subterrâneo: a água aplicada abaixo da superfície do solo, na região em que deve ser aproveitada pelas raízes. Sistema – gotejamento subterrâneo, subirrigação etc.

Aspersão: a água é aplicada sob pressão acima do solo, por meio de aspersores ou orifícios, na forma de chuva artificial. Sistemas – convencional com linhas laterais ou em malha, mangueiras perfuradas, carretel enrolador, pivô central etc.

Localizado: consistente na aplicação em uma área bastante limitada, utilizando pequenos volumes de água sob pressão, com alta frequência. Sistemas – gotejamento, microaspersão etc.

A irrigação se faz vantajosa a partir do aumento da produtividade da ordem de duas ou três vezes em relação à agricultura de sequeiro, utilização do solo durante todo ano com até três safras anuais e o aumento da oferta e da regularidade de alimentos, como arroz, feijão, trigo, batata, frutas e verduras.

Além disso, eleva a renda do produtor rural e reduz os ricos da produção devido a modernização dos sistemas de produção estimulando a introdução de novas tecnologias, proporcionando maior visibilidade para criação de polos agroindustriais e novos mercados.

E com as vantagens da irrigação, o acompanhamento do uso da água se faz cada vez mais importante neste cenário, onde em feiras específicas, gestores veem de perto este uso a partir de diagnósticos especializados capazes de gerar um planejamento que prevê como o setor pode se expandir no futuro.

automatic irrigation at a farm

FIIB – Feira Internacional da Irrigação Brasil

A FIIB – Feira Internacional da Irrigação Brasil, não é só uma feira exclusiva para exposição de equipamentos; ela dispõe, também, de palestras e técnicas para aprimoramento e aperfeiçoamento dos técnicos da área. Criada em 2017, seu sucesso trouxe novos formatos para o ano seguinte, reunindo trabalhos, oportunidades e contatos em todos os dias de evento; além do diferencial de aderir ao XXVII CONIRD – Congresso Nacional de Irrigação e Drenagem, realizado conjuntamente e unicamente neste período, visando o fortalecimento deste fórum em favor do desenvolvimento sustentável dos agronegócios calculados na cultura irrigada.

Crescimento e aquecimento do mercado

Segundo o IBGE, mais de 500 mil estabelecimentos agropecuários utilizam de algum dos métodos de irrigação disponíveis. Em 2017, a área irrigada do país teve um crescimento de 3,7%, de acordo com a Abimaq – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos, o que gerou perspectivas positivas de crescimento, também para 2018.

Este ano, a FIIB já tem data marcada de 17 a 19 de setembro, na Expo D. Pedro em Campinas – SP. Começando às 09h00, a feira e suas apresentações acontecem até às 17h00 e sua entrada é gratuita.